Bem-vindo(a), Visitante.

Altana Motel

Ana Dualtana

 

O celular não parava de vibrar. Ana tinha um grupo no WhatsApp com todas as suas melhores amigas e elas estavam alvoroçadas com o trailer de “50 Tons Mais Escuros” que tinha acabado de sair. “Vocês precisam ver isso”, “Christian Grey, homem dos meus sonhos”, “Essa Anastacia não é boba” e várias outras mensagens.
Ana não conseguiu se segurar e resolveu assistir ao trailer, simplesmente adorou. Foi correndo assistir ao primeiro filme, 50 Tons de Cinza. Assim que terminou foi inevitável, Christian Grey era realmente o homem dos sonhos.
Depois de assistir, Ana começou a duvidar se seu namorado chegava aos pés de Christian e ficou fantasiando em sua cabeça as cenas como se ela fosse Anastacia. O quarto vermelho, o chicote, as algemas, os gemidos, o prazer... Meu deus, que vontade!
A campainha toca, é Beto, namorado de Ana. Ele chega com um buquê de rosas em uma mão e uma caixa de chocolate na outra, tem coisa mais clichê? Ana dá um sorriso amarelo e Beto percebe que tem algo errado, começa a questionar se fez algo que ela não gostou, se estava brava com ele. Ana simplesmente nega e começa a tratar Beto com indiferença.
Ana resolve ir ao banheiro e deixa seu celular na sala, um grande erro. Beto não se aguenta de curiosidade, o celular não para de vibrar um minuto. Abre o grupo das amigas e vê várias mensagens sobre um tal de Christian Grey, como ele é maravilhoso, sensual e sabe transar como ninguém.
Beto não se aguenta de tanta raiva e explode assim que Ana chega na sala! “Então é por isso que você tá toda estranha! Fica sonhando com esse Christian Grey, mas eu vou te contar uma coisa, um cara assim não existe!”. Ana fica chocada com a reação de Beto mas ao mesmo tempo acha aquela raiva toda algo sensual. “Você acha que eu não sou bom o suficiente que nem esse Christian?!”, Beto continua, “Eu vou te mostrar que eu posso ser tão bom, até melhor, que esse riquinho esnobe!”.
Numa fração de segundo, Ana está no colo de Beto sendo carregada até o carro dele. “Para onde você está me levando?”. Beto não responde, dirige como se não houvesse amanhã. Ana reconhece o caminho, sabia para onde estavam indo. Seu lugar favorito em Brasília, o Altana Motel.
Ana nem piscou direito e já estava na suíte Safari, uma escolha ousada de Beto. “Vou te mostrar um lado meu que você nunca viu”, ele disse. Ana já estava ficando louca de vontade e partiu pra cima. Beto não deixou. “Hoje vai ser diferente”. Pegou uma venda e colocou nos olhos de Ana, pegou umas algemas que comprou no sex shop do motel e prendeu ela na cama.
Ana se contorcia de tanta vontade e isso deixava Beto mais louco ainda. Ele foi passando a mão pelo corpo dela, tirando sua roupa e deslizando por todas as partes do corpo de Ana. Ela vendada não sabia o que esperar, aumentando a ansiedade e o desejo.
Fizeram amor como nunca tinham feito antes, as marcas de arranhão nas costas de Beto e o andar cambaleante de Ana ao sair do Altana não deixavam dúvidas que a noite tinha sido... selvagem! De mãos dadas, indo em direção ao carro, Ana teve a certeza que nenhum Christian Grey chegava perto do que ela viveu naquela noite. Melhor deixa a fantasia desse homem “perfeito” para suas amigas ingênuas...

CONTOS DE ANA DUALTANA 


Capítulo 8

A luz da TV é a única luz que ilumina a sala, Ana está sentada sofá assistindo um programa no qual um gordinho simpático entrevista uma cantora com o nariz esquisito. O pensamento de “ter insônia é uma droga” a assombra, podia estar fazendo coisas bem mais divertidas ainda mais que seu namorado, Beto, se encontrava no quarto ao lado, porém dava para sentir de longe seu ronco tremendo todo apartamento.

Quando Ana começa a trocar os canais seu celular apita, mensagem de sua prima Carolina chamando para seu aniversário no fim de semana. Fazia muito tempo que as duas não se viam e bateu um sentimento de nostalgia, pois eram grudadas na infância, andavam juntas pelas ruas de Formosa, foram a vários shows juntas, bons tempos... “Estaremos aí sim, eu e Beto!”

É noite de sexta, Ana e Beto colocam suas malas no carro e resolvem partir para a casa da prima. Ana não consegue esconder sua animação, começa a dar pulinhos no banco e mandar diversas indiretas para Beto, dizendo que já fizeram aquele caminho várias vezes, mas para outras coisas...

Beto pode ser um pouco lento mas entende a mensagem, quando começou a chegar perto do Altana ele perguntou:

– Nós temos mesmo que chegar lá hoje?
– Por que a pergunta?
– Pensei em chegar amanhã de manhã e aproveitar a promoção de pernoite do Altana!
– Achei que você não fosse fazer essa proposta nunca!

Ana queria aproveitar ao máximo essa noite e ao mesmo tempo queria fazer algo diferente...na banheira! Colocou a hidro para funcionar, botou os sais de banhos e logo encheu de espuma. Beto, que já estava ficando mais esperto, entendeu o recado e gostou da ideia, nunca tinha feito na banheira, devia ser interessante...

No começo foi estranho, mas logo pegaram o jeito. O quarto ficou mais molhado do que a própria Ana, como se isso fosse possível. Foram horas fazendo amor no meio de tanta espuma. O aniversário era de Carolina, mas quem ganhou o presente foi Ana.

Vamos aguardar a próxima história de Ana Dualtana...!

 

 

 

----

Capítulo 7 

O celular não parava de vibrar. Ana tinha um grupo no WhatsApp com todas as suas melhores amigas e elas estavam alvoroçadas com o trailer de “50 Tons Mais Escuros” que tinha acabado de sair. “Vocês precisam ver isso”, “Christian Grey, homem dos meus sonhos”, “Essa Anastacia não é boba” e várias outras mensagens.

Ana não conseguiu se segurar e resolveu assistir ao trailer, simplesmente adorou. Foi correndo assistir ao primeiro filme, 50 Tons de Cinza. Assim que terminou foi inevitável, Christian Grey era realmente o homem dos sonhos.

Depois de assistir, Ana começou a duvidar se seu namorado chegava aos pés de Christian e ficou fantasiando em sua cabeça as cenas como se ela fosse Anastacia. O quarto vermelho, o chicote, as algemas, os gemidos, o prazer... Meu deus, que vontade!

A campainha toca, é Beto, namorado de Ana. Ele chega com um buquê de rosas em uma mão e uma caixa de chocolate na outra, tem coisa mais clichê? Ana dá um sorriso amarelo e Beto percebe que tem algo errado, começa a questionar se fez algo que ela não gostou, se estava brava com ele. Ana simplesmente nega e começa a tratar Beto com indiferença.

Ana resolve ir ao banheiro e deixa seu celular na sala, um grande erro. Beto não se aguenta de curiosidade, o celular não para de vibrar um minuto. Abre o grupo das amigas e vê várias mensagens sobre um tal de Christian Grey, como ele é maravilhoso, sensual e sabe transar como ninguém.

Beto não se aguenta de tanta raiva e explode assim que Ana chega na sala! “Então é por isso que você tá toda estranha! Fica sonhando com esse Christian Grey, mas eu vou te contar uma coisa, um cara assim não existe!”. Ana fica chocada com a reação de Beto mas ao mesmo tempo acha aquela raiva toda algo sensual. “Você acha que eu não sou bom o suficiente que nem esse Christian?!”, Beto continua, “Eu vou te mostrar que eu posso ser tão bom, até melhor, que esse riquinho esnobe!”.

Numa fração de segundo, Ana está no colo de Beto sendo carregada até o carro dele. “Para onde você está me levando?”. Beto não responde, dirige como se não houvesse amanhã. Ana reconhece o caminho, sabia para onde estavam indo. Seu lugar favorito em Brasília, o Altana Motel.

Ana nem piscou direito e já estava na suíte Safari, uma escolha ousada de Beto. “Vou te mostrar um lado meu que você nunca viu”, ele disse. Ana já estava ficando louca de vontade e partiu pra cima. Beto não deixou. “Hoje vai ser diferente”. Pegou uma venda e colocou nos olhos de Ana, pegou umas algemas que comprou no sex shop do motel e prendeu ela na cama.

Ana se contorcia de tanta vontade e isso deixava Beto mais louco ainda. Ele foi passando a mão pelo corpo dela, tirando sua roupa e deslizando por todas as partes do corpo de Ana. Ela vendada não sabia o que esperar, aumentando a ansiedade e o desejo.

Fizeram amor como nunca tinham feito antes, as marcas de arranhão nas costas de Beto e o andar cambaleante de Ana ao sair do Altana não deixavam dúvidas que a noite tinha sido... selvagem! De mãos dadas, indo em direção ao carro, Ana teve a certeza que nenhum Christian Grey chegava perto do que ela viveu naquela noite. Melhor deixa a fantasia desse homem “perfeito” para suas amigas ingênuas...

Vamos aguardar a próxima história de Ana Dualtana...!

 

 

 

----

Capítulo 6

As gotas de chuva vão caindo e se juntando na janela do táxi, Ana fica observando e pensando como São Paulo consegue ser tão cinza. Não aguentava mais a cidade da garoa, estava louca para voltar para Brasília, para os braços de Beto, seu grande amor. Uma semana longe dele já deixava Ana louca de vontade, ela até tentou se aliviar por conta própria, mas não foi o suficiente.

Enquanto estava no aeroporto esperando seu voo para voltar a Brasília, o telefone vibra e Ana abre a mensagem, é uma foto sensual de Beto. Ana se arrepia toda e a vontade só aumenta, quanto tempo falta para embarcar?

Dentro do avião, Ana não consegue suportar a ansiedade, balança as pernas, fica inquieta. A única coisa que a acalma são as fotos das loucuras que ela já fez com Beto, a maioria pelos quartos do Altana, na mesma hora vem a imagem de todos os momentos de sacanagem que já passaram juntos, Ana não vai aguentar essa viagem.

Depois de quase duas horas, finalmente chega a capital e corre direto para os braços de seu amado, beijando seus lábios com tanto desejo e sensualidade que Beto deixa todos os planos de lado e entende o recado.

O desejo era tanto que Ana quase resolveu fazer no carro mesmo, mas não seria a mesma coisa. Quem esperou uma semana, pode esperar mais alguns minutos e, no Altana, ela sabia que a experiência ia ser inesquecível.

Escolheram a suíte Panorâmica, com aquela visão de tirar o fôlego, e já reservaram a pernoite, nada de rapidinha naquele dia, Ana queria prolongar o sexo ao máximo. Sentiu uma leve pena de Beto, pois hoje ela ia dar trabalho e o namorado ia sair de lá esgotado...

Vamos aguardar a próxima história de Ana Dualtana...!

 

 

----

Capítulo 5

Ana é uma mulher muito refinada e gosta de aproveitar o tempo livre  para  sair  com  Beto,  seu  namorado.  Eles  adoram  ir  a restaurantes  finos  e  sofisticados  e  se  deliciar  com  maravilhosos jantares e bons vinhos Como bons namorado e um casal típico de Brasília, eles gostam de lugares aconchegantes para conversar e falar do romance, que vai de bem a melhor. 

Ana, com sua pose de mulher fina, sempre muito bem alinhada, causa em todos um boa impressão, mas o público masculino é que fica de boca aberta e  de  queixo  caído  quando  vê  a  musa  do Altana  passeando  pelo restaurante  com  seu  corpo  de  violão.  Beto  fica  um  pouco desconfortável  com  essa  situação,  mas  ele  tem  sua  tática  de espantar os olhares alheios.  

Ele usa seu romantismo para deixar bem  claro  que  ela  está  acompanhada.  Com  o  som  das  músicas românticas,  que  animam  o  ambiente,  ele  a  convida  para  dançar. Ela  então  aceita  o  convite,  e  é  nessa  hora  que  Beto,  sem  dizer nada, mostra para todos os frequentadores do restaurante que é seu homem, o cara que leva esta gata até as nuvens.

Ele dança agarradinho  com  a  sua  deusa,  faz  xamego  no  pescocinho,  fala bobagem  bem  baixinho,  dá  beijos  e  carinhos  sem  medo  de  ser feliz. E, sem que ninguém perceba, coloca suas mãos por baixo da saia  dela  e  vai  subindo...  até  deixá­-la  completamente  excitada, louca de tesão, implorando para ir logo a um lugar mais reservado, para se entregar completamente. 

Beto não perde a oportunidade de  ter  uma  noite  exuberante  com  a  sua  amada  e  a  leva  para  a suíte  de  ouro  do  Altana  Motel,  onde  eles  passam  momentos inesquecíveis e alucinantes. Depois de usar os óleos eróticos para massagem  e  se  divertir  muito  com  as  bolinhas  tailandesas  que eles  compraram  no  Sex  Shop  do  Altana,  eles  ficaram  quentes como um vulcão em erupção. 

Com as suas mãos  deslizando  em seus corpos nus e entrelaçados, eles mexem gostoso até delirar e, bem  coladinhos,  rolam  pra  lá  e  pra  cá,  gemendo,  beijando, gritando,  enlouquecendo  de  tanto  amar. Transaram  a  noite  toda, com  muitos  beijos  quentes,  toques  extraordinários  e  gemidos ofegantes. Depois de muito amor, é hora de relaxar com um belo banho de sais e uma boa hidromassagem para descansar.

Vamos aguardar a próxima história de Ana Dualtana...!

 

 

----

Capítulo 4

Ana e Beto são namorados há alguns anos, é um casal apaixonado, eles têm um relacionamento bem quente. Algumas vezes, Ana atende o telefone no meio do expediente e fica toda assanhada e eufórica. Ontem mesmo, ela recebeu uma dessas ligações, era Beto ao telefone convidando-a para fazer algo diferente, ela ficou indecisa, não sabia o que fazer, pois, além de estar em seu horário de trabalho, também já tinha hora marcada em sua academia. Se ela dissesse que não ia, Beto seria bastante compreensivo, pois sabe que Ana é muito vaidosa, gosta de malhar e manter o seu corpo sarado para satisfazê-lo na hora do amor. Mas ela ficou muito atiçada e curiosa sobre o que Beto queria fazer, desmarcou a academia, consultou a agenda do escritório e percebeu que já havia cumprido todos os compromissos daquele dia, não tinha mais nada que a atrapalhasse de sair com seu gato, então retornou a ligação dizendo que iria com ele.

Beto a levou para o Altana, de olhos vendados, para uma suíte bem bacana, onde tinha deliciosos coquetéis, vinhos espumantes em ótima temperatura e até SPA.  Beto é um pouco envergonhado, mas de tanta luxúria, ele fica pirado. A sua timidez acaba quando vê a namorada passando em sua frente com o bumbum empinado, aquela cintura fina e os seios turbinados. Isso o deixa ainda mais apaixonado. Ele a pega de jeito e se delicia com seus beijos levando a amada à loucura. Com esse agarra agarra, beijinho pra lá, mãozinha pra cá, a mente de Ana fica fértil e ela começa a imaginar cada minuto de amor que com ele pode passar.

Ela escolheu uma super lingerie entre as opções disponíveis na suíte. Ela entrou no banheiro para se vestir e Beto, do lado de fora, ficava pirado, pensando em rasgar cada pedaço de tecido vestido nela. Ela, de repente, apareceu e fez Beto se arrepiar, deixando-o excitado, muito louco, alucinado, querendo devorá-la.

Ana, apesar de autônoma e muito independente, também tem os seus momentos de fraqueza e, por algumas horas, deixa Beto dominá-la, ele usa e abusa,faz massagem, beija na boca,  morde, arranha e faz carícias de amor até a moça delirar. Ana fica doida de tesão, tira logo a lingerie e começa a rebolar. Ele fica louco, pega a mulher e joga na cama, e com palavras picantes e toques marcantes, faz a Ana gemer e, de tanta paixão, ela sente o sangue ferver. Beto, que é um cara sossegado, nessa hora  não controla os seus desejos. Ele perde as estribeiras transformando as suas fantasias imaginárias em reais felicidades. Ele então se transforma em tigrão, pega a Ana e  rola no chão e a devora todinha com  muito amor e paixão.Esse foi mais um momento caliente que Beto e Ana passaram no Altana Motel onde há muito tempo são clientes.

 

 

----

Capítulo 3

Em dezembro, Ana viajou pra praia. Depois de malhar o ano inteiro na academia, ela estava confiante para mostrar as coxas torneadas e usar aquele biquiini bem pequenininho, que insiste em entrar no bumbum. 

Seu namorado, Beto, morre de ciúmes quando a vê na praia, se bronzeando de bruços na areia. Ele reclama, mas no fundo adora ter uma namorada gostosa pra mostrar pra todo mundo. 

Ana não gosta de marquinhas de biquini, principalmente as de cima. A solução? Fazer top less, claro! Ana não tem vergonha, é dona do seu próprio nariz e faz o que quer com seu corpo. Naquela tarde de sol, ela estendeu sua toalha na areia e… tirou o top. As curvas dos seus seios ficaram a mostra, pra quem quisesse ver. Foi um momento de liberdade.

Beto olhou para ela, tão feliz, tão sedutora… não pensou duas vezes: puxou Ana para um beijo daqueles de arrepiar. Em seguida a levou para a suíte do hotel, que ficava na beira da praia e tinha vista para o lindo mar azul.

A brisa batia forte e levantava a cortina transparente. Beto jogou Ana na cama e a devorou com seu desejo louco. 

Aquele dia tornou-se inesquecível. De volta à Brasília, Ana já preparou a próxima surpresa para Beto: reservou a suíte Tailandesa do Altana Motel, com suas paredes de bambu e cortina esvoaçante, vai ser a suíte perfeita para acender a lembrança quente daquele dia na praia. O toque final: Ana receberá Beto na suíte, vestida apenas com a parte de baixo de seu biquini. 

Ela avisou que gostava de Top Less.

Vamos aguardar a próxima história de Ana Dualtana...!

 

 

----

Capítulo 2

Relacionamento saudável de verdade não tem surpresas só em datas especiais, e ninguém melhor para comprovar isso do que Ana e Beto, nossos clientes tão fiéis, que já são da casa. Depois da surpresa que ela fez em seu aniversário, foi a vez dele conquistar a admiração da namorada com uma ajudinha do Altana.

Uma quarta-feira qualquer virou mais um dia especial e picante para o casal, já que Beto contratou o pacote "Noite de Luxúria" para presentear Ana. Após um movimentado dia de trabalho, Ana finalmente recebeu uma deliciosa recompensa. E mesmo ela, moderna como é, não dispensa uma noite cheia de mimos. Com o Creme Erótico que encontrou ao lado da cama, Beto fez a namorada relaxar e ficar totalmente à vontade, numa duradoura sessão de toques e carinhos.

Algumas taças de espumante mais tarde, o casal deu asas à imaginação e aproveitou tudo o que tinha direito, com Ana vestindo sua fantasia preferida e provocando o namorado com uma sedutora calcinha comestível. Beto não deixou por menos e levou-a à loucura, prendendo-a na cama com um par dealgemas de pelúcia e deixando-a sob seu domínio. Pelo menos por aquela noite.

O relacionamento de Beto e Ana, que já ia de vento em popa, nunca esteve melhor. As algemas não deixaram marcas, mas Ana não esquecerá tão cedo o cheiro perfumado daquele óleo de massagem.

Qual será a próxima surpresa?

 

 

----

Capítulo 1

Ana é uma mulher moderna,bem resolvida, bem sucedida na profissão. Aos 27 anos, a advogada em um famoso escritório em Brasília, mantém um relacionamento estável com o servidor público Beto. Eles pretendem se casar em um ou dois anos. Criativa e despojada, Ana sempre inova na relação e surpreende o namorado com jantares românticos e noites regadas a sexo em motéis de luxo.

A advogada mantém sempre por perto o  que ela chama de “Kit-malvadeza”, montado e produzido, vamos dizer assim, por ela e um grupo de amigas que se identificam com o papel de mulher moderna, independente emocional e financeiramente, sem que para isso precisem abrir mão da feminilidade e sensualidade.

Ana é um verdadeiro fogo na cama. Não deixa por menos. No último aniversário de namoro do casal, entrou no site do Altana e fez uma reserva para “Dia do Aniversário” com direito a banho de sais, jantar romântico, decoração especial e até torta de aniversário. A advogada levou Beto de olhos vendados para o Altana. A noite foi quente. Dessa vez, Ana pagou a conta. Ela pode.

O casal conheceu o motel por indicação de amigos e, desde então é frequentador assíduo.Ana, especialmente, virou fã. “O motel é sofisticado, o atendimento é ágil, as instalações são modernas e há um cuidado especial com a higiene.  Lá, mesmo com toda discrição,  somos tratados como clientes únicos. A sensação é de que tudo foi feito para nós.”, ela avalia.

Ana gosta tanto do Altana que, a cada vez que ela tem uma história picante para contar para as amigas, elas complementam: “Lá vem a Ana do Altana”. Ela gosta.

 

Ana Dualtana